[+QP] Expectativas

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015
O +QP (Mais Que Palavras) é um grupo no Facebook que propõe temas mensais de escrita para desenvolvermos mais nossa criatividade na hora da dissertação de textos, contos, crônicas, poesias e o que mais quisermos. É um empurrãozinho para sairmos da nossa zona de conforto e nos aventurarmos a bolar textos cada vez mais elaborados e criativos. Todo mês é selecionado um tema, mediante votação, e você tem até o último dia do mês para publicar seu texto no seu blog. Para saber mais, conheça o grupo.

Eu sabia desde o ano passado que queria participar de algum projeto de fotografia em 2015 (por isso comecei o Lente Criativa), mas não estava planejando nem um pouco começar um projeto de escrita também. No entanto, quando me deparei com o +QP, vi ali uma oportunidade para melhorar minha escrita também, que já foi muito boa, mas ultimamente vem sendo um relaxo.

Eu costumava criar histórias quando era criança e adolescente, já escrevi mais de 100 páginas de um livro, já escrevi roteiros muito bons, já tirei notas altíssimas nas minhas redações na época da escola. Hoje em dia, porém, acho que essa criatividade se perdeu um pouco quando deixei de praticar. Quero mudar isso, quero voltar a escrever alguma coisa, qualquer coisa, e retomar o que eu era antes. Espero conseguir isso nesse grupo do Facebook.

Não estou preocupada se vão ler os meus textos ou não, pois dificilmente na blogosfera hoje encontra-se pessoas que gostem mais de ler textos do que ver fotografias. Eu escrevo para mim. Para treinar minha escrita e para desabafar de alguma maneira. Isso me fará bem e é isso o que realmente importa.

Bom, o grupo foi criado pela Lare Figueiredo (Girls Machine) e pela Ana Gabriela (Bela Psicose). Parabéns pela iniciativa maravilhosa, meninas!

Depois de toda essa explicação, apresento o tema escolhido para o mês de janeiro: EXPECTATIVAS.


EXPECTATIVAS

Sempre vivi por meio de expectativas na infância e na adolescência. Demorou, mas finalmente descobri que viver assim não é nem um pouco bom.

Eu me lembro na época da escola quando eu involuntariamente costumava criar inúmeras expectativas para as pessoas gostarem de mim, para eu fazer novas amizades. Eu esperava demais das pessoas, eu esperava que elas também se preocupassem comigo como eu me preocupava com elas. Que lembrassem de mim como eu me lembrava delas. Que retribuíssem toda a gentileza que eu dava a elas.

E me decepcionava. Ficava chateada quando via que as pessoas não me levavam em consideração, quando sequer notavam minha existência. Eu esperava demais das pessoas. Logo descobri que sequer serem educados comigo ou esperar um simples "bom dia" ERA SIM esperar demais.

Eu sempre fui carente de novas amizades porque eu era tímida, tinha pouquíssimos amigos e odiava ficar sozinha, eu tinha certeza que as poucas pessoas que me notavam ficavam me olhando como se eu fosse uma estranha por estar sentada no canto e sozinha na hora do recreio, e não gostava nem um pouco disso. Eu me preocupava demais com a opinião dos outros para me sentir bem comigo mesma, ansiava por alguma aceitação, por alguma atenção.

Felizmente para mim, com o passar dos anos, eu cresci. E o que acontece conforme a gente cresce? A gente aprende. E eu aprendi mais sobre o mundo e sobre as pessoas. E conforme eu aprendia observando em silêncio, eu percebi que as pessoas são assim mesmo. Apenas o que é do interesse delas chama a atenção delas, apenas o que pode beneficiá-las elas reparam. E aquilo que é simples e comum passa despercebido.

Aprendi finalmente a não ficar chateada quando as pessoas não reparam em mim. Se elas não gostam de mim ou não me conhecem de verdade, óbvio que não vão mesmo sequer olhar pra mim, é natural, eu mesma devo ter passado por várias pessoas que não reparei apenas porque não tinham nada que me chamassem a atenção ou que eu não conhecia.

Mas o mais importante que eu aprendi é não viver esperando a atenção das pessoas, a aceitação delas. As pessoas não são obrigadas a gostarem de mim, e conversarem comigo se não quiserem. Eu aprendi que não há nada de errado em ficar sozinha, e acabei gostando até. Hoje me sinto incrivelmente bem comigo mesma. Sei quem eu sou e o que eu quero, o que gosto e o que não gosto. Eu aprendi a me amar e a me aceitar acima de tudo, e isso vale muito mais do que qualquer aceitação de qualquer pessoa nesse mundo.

- Renata Carvalho
(23.01.2015)



Espero que tenham gostado. Depois de escrever esse texto, percebi que talvez, afinal, eu não esteja tão enferrujada assim, mas quero continuar treinando e melhorar sempre. Beijos!


5 comentários:

  1. Gostei muito do seu texto, comecei a ler sem imaginar que eu iria me identificar tanto, mas cada palavra me fisgou de jeito, acho que por eu ser muito ansiosa, esse sentimento de expectativa, e consequente frustração, sempre esteve muito presente. Fico feliz que isso acaba também por nos ensinar muitas coisas.



    Abços http://historiaspossiveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre achei que nada é por acaso, se tivemos que passar por esse sentimento de expectativas e consequentemente frustração, foi para aprendermos a lidar com esse tipo de coisa, o bom é que a gente cresce e aprende, sempre. :)

      Beijos!

      Excluir
  2. Você escreve muito bem, Reh! Adorei o texto, é sincero, sobre você, pessoal, e ajuda as pessoas que possam estar passando por isso hoje, que elas devem aprender a gostarem de si mesmas e não se importarem com o que os outros pensam :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaa, às vezes gosto de escrever textos assim, quem sabe alguém não se identifique né! ^^

      Beijos!

      Excluir
  3. Acho que todo mundo cria mais expectativas quando mais novo, mas com o passar do tempo elas vão diminuindo. Acho que as surpresas da vida ainda são a melhor coisa que nos podem acontecer rsrs
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita!
Se deixar seu blog/site junto com seu comentário, terei o maior prazer em retribuir a visita. ^^

Theme Base por Erica Pires © 2013 | Livro de Memórias, por Renata Carvalho | Blog no ar desde 03.05.2013 | Versão 2.2 no ar desde 01.01.2014 | Topo