[Resumo do Mês] Janeiro de 2014

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014


Janeiro foi um mês e tanto para o blog. Ele oficialmente deixou de ser Resenhando Books e virou Borrifo de Cores.
Mas não foi só o nome que mudou. Houve uma grande adição de novas colunas ao blog, fazendo-o deixar de ser um blog literário para virar algo mais diversificado.
Ele continua com as resenhas de livros normalmente, mas agora há também resenhas de filmes e seriados, curtas-metragens, música, vídeo, textos, fotografia, e muito mais!
E claro, para combinar com toda essa mudança, vocês notaram que o blog ganhou um novo layout. Uma coisa mais clean e simples, do jeito que eu gosto, nada muito poluído.

Estou adorando postar coisas variadas no blog, ao invés de me prender apenas às resenhas dos livros, é como se eu estivesse compartilhando um pouquinho de mim com vocês.
Tem me feito assistir muito mais filmes, já imaginando como será a minha resenha. Prestar mais atenção às músicas e adquirir um outro olhar para a fotografia.
Enfim, um lado mais cultural aflorando.

E adivinha só: minha ressaca literária está finalmente indo embora. \o/
Aos poucos estou voltando a ler livros. Não tenho certeza ainda, mas recentemente estou encantada pela série Irmandade da Adaga Negra, lendo aqueles livros enormes em apenas alguns dias.

Então, vamos que vamos porque 2014 promete. Estou muito animada com o blog, com as energias revigoradas. Hahaha
Bom, chega de tanto papo. Confiram agora o resumo do que rolou nesse mês de janeiro de 2014.


Literatura:
Amante Sombrio (Irmandade da Adaga Negra #1) – J.R. Ward

Filmes e Curtas:

Música:
...Baby One More Time – Britney Spears

Fotografia:

Dear Diary:

Vídeo:

Texto:

Outros:


Livros lidos em Janeiro: 3
• 23/01: Amante Sombrio (Irmandade da Adaga Negra #1) – J.R. Ward
• 27/01: Amante Eterno (Irmandade da Adaga Negra #2) – J.R. Ward
• 30/01: Amante Desperto (Irmandade da Adaga Negra #3) – J.R. Ward


Follow Me:

[Cinema] Mary e Max – Uma Amizade Diferente (2009)

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Título original: Mary and Max
Direção: Adam Elliot
Distribuição: Icon Entertainment International
Estreia: 09 de Abril de 2009
Duração: 92 minutos
Classificação: 12 – Não recomendado para menores de 12 anos
Gênero: Animação/Cartas/Comédia/Drama/Stop-motion
País de origem: Austrália
Elenco: Barry Humphries (narrador), Bethany Whitmore (Daisy pequena), Toni Collete (Daisy adulta), Philip Seymour Hoffman (Max), Eric Bana (Damian)
Nota:
Sinopse: Uma história de amizade entre duas pessoas muito diferentes: Mary Dinkle, uma menina gordinha e solitária, de oito anos, que vive nos subúrbios de Melbourne, e Max Horovitz, uma homem de 44 anos, obeso e judeu que vive com Síndrome de Asperger no caos de Nova York. Alcançando 20 anos e 2 continentes, a amizade de Mary e Max sobrevive muito além dos altos e baixos da vida. O filme é uma viagem que explora a amizade, o autismo, o alcoolismo, de onde vêm os bebês, a obesidade, a cleptomania, a diferença sexual, a confiança, diferenças religiosas e muito mais.


O filme vai contar a história de Mary Daisy Dinkle (8 anos) e Max Jerry Horovitz (44 anos). Duas figuras muito diferentes que tem suas próprias dúvidas e seus próprios problemas, mas com uma coisa em comum: são solitários, e por isso acabam encontrando a amizade verdadeira e duradoura um no outro, mesmo que vivam em continentes diferentes.

Mary vive com os pais nos subúrbios de Melbourne, na Austrália, e não tem irmãos ou irmãs.
Seus pais vivem nos próprios mundos amargurados, e por isso são ausentes na vida de Mary, não dando a devida atenção que a garotinha sempre quis.
O pai trabalha numa fábrica de fazer chá e seu serviço é colocar as cordinhas nos saquinhos de chá. Tem como passatempo empalhar pássaros que encontra mortos nas estradas.
A mãe é alcoólatra e basicamente só vive para cozinhar, fumar e beber.

Devido à dúvida de saber de onde veem os bebês, Daisy decide enviar uma carta para alguém aleatório na lista telefônica. Nessa carta ela pergunta sobre essa dúvida que ela tem e também conta um pouco de si mesma. A pessoa sorteada é alguém que vive do outro lado do mundo e se chama Max.


Max mora em Nova York. É obeso, judeu, 44 anos, desempregado, solteiro e portador da Síndrome de Asperger – um autismo sem danos mentais. Primeiro ele fica muito ansioso e assustado com essa nova carta estranha que ele recebe de uma desconhecida de oito anos, mas depois rapidamente se identifica com ela, e os dois começam a se corresponder por cartas intensamente durante 20 anos, apesar de sempre ser um tormento para Max receber e escrever as cartas para Daisy.

Entre as conversas da dupla, são debatidos temas que eles mesmos sentem como solidão, amor, amizade, obesidade, traumas infantis, interação social, as mais variadas manias e assim por diante.
Ao longo dos 20 anos de conversas, algumas coisas mudam. Daisy cresce, entra para a faculdade, escreve um livro, se casa, acaba se decepcionando com muitas coisas e pessoas, supera. Max é internado e fica muito tempo sem enviar e receber cartas, melhora, tenta lidar com suas fobias do mundo e das pessoas, passa por raivas, felicidades, traição e superações.
Mas dentre tantas mudanças nos dois personagens, o que nunca muda é a vontade de continuarem se correspondendo e se reconfortando com isso.




Descobri esse filme por acaso quando estava navegando pela internet. Vi o pôster desse filme e me interessei por ser uma animação stop-motion, coisa que adoro.
Assisti e me emocionei.

Apesar de ser um desenho, ele aborda temas pesados e delicados cheios de humor negro, sarcasmo e melancolia. Não é à toa que não é recomendado para crianças.


A melancolia dá o tom do filme. É praticamente todo narrado, com poucos diálogos. Predominam duas cores: o marrom (sépia) para o mundo de Mary e o cinza (preto e branco) no universo de Max. São tons da solidão e da distância.

Invariavelmente, acabei me identificando um pouco com os personagens, mas principalmente com o Max e sua síndrome de asperger.
Fui buscar saber mais sobre essa síndrome, e parecia que estava descrevendo toda a minha pessoa, todo o meu jeito de ser. Mas falo mais sobre isso num outro post.


Apesar de o filme conter temas pesados, ele é incrivelmente cativante, sensível, brilhante, simples, sincero e emocionante.
Divertido e ao mesmo tempo depressivo, pessimista e otimista. Explorando a fundo a essência humana.
Foi baseado em fatos reais.




Follow Me:

[Dear Diary #2] As Páginas do Meu Diário

sábado, 25 de janeiro de 2014


Inspirada pelo post da Beatriz no blog Pássaros na Janela onde ela falou um pouco sobre a maravilha que é ter um diário, resolvi fazer igual.
O post dela você confere clicando AQUI.


Quem nunca teve um diário, ou pelo menos tentou começar um?

Quando eu era criança, eu tive um daqueles diários com cadeado. Eu nunca achei que aquele cadeado frágil protegeria minhas anotações se alguém realmente quisesse ler, e por isso eu tinha um grande receio de me abrir de verdade, escrever o que eu realmente estava pensando e sentindo, para alguém ir lá depois e ler tudo.
Por isso, basicamente, eu só contava como foi o meu dia.

Cada página desse meu diário era marcada com um dia do ano, como uma agenda mesmo, e por isso eu achava que obrigatoriamente eu deveria escrever nele todos os dias.
Se eu acabasse pulando algum dia, me sentia mal por deixar pra trás aquela página em branco.
Essa foi uma das razões porque eu acabei abandonando logo, não foi pra frente.

Muito tempos depois, quando eu tinha 16 anos (maio de 2007), a febre do momento era o fotolog. Todo mundo estava criando uma conta para postar as fotos que eles tiravam e comentavam sobre essa foto para virem outras pessoas e também comentarem sobre a foto.
Acabei criando uma conta também para postar minhas fotos.

Alguns meses depois muita gente começou a abandonar o fotolog, a febre estava passando. Mas sabe quem restou? Eu e umas amigas da minha escola.
Nós começamos a usar o fotolog mais como um diário. Contar o que estávamos pensando e sentindo era a prioridade, e postar fotos se tornou o menos importante.
Nós comentávamos no fotolog umas das outras, foi uma época legal.
Acabamos enfim abandonando o fotolog alguns anos depois quando ele mudou o layout e ficou horroroso, mas eu não excluí minha conta, ele continua lá.
Meu fotolog: /renata_potter

Era chato postar no fotolog, mas eu queria continua escrevendo minhas bobeiras sem importância, foi então que criei uma conta no tumblr em fevereiro de 2012 (21 anos).
Fiz de lá um diário por um tempo, embora achasse que não era tão legal assim. Me sentia numa certa competição onde os textos de lá que eram muito bons, enquanto que os meus eram pura bobeiras do meu dia-a-dia. Não me sentia à vontade.
Acabei abandonando, mas a conta continua lá:
Meu tumblr: /renatacarv

Em maio de 2013 (22 anos) criei uma conta no blog, e isso sim me fez extremamente feliz. É este blog que estou hoje, o Borrifo de Cores.
Comecei postando apenas as resenhas de livros que eu lia e queria comentar com as pessoas, mas depois transformei o blog em algo mais diversificado onde pudesse postar muito mais coisas que eu gostava como resenhas de filmes e seriados, música, fotografia, vídeos, etc.
Também criei essa coluna “Dear Diary” exclusivamente para continuar postando minhas baboseiras chatas do dia-a-dia que eu tanto gosto. *-* hahaha

O blog então se tornou minha mais nova paixão!


Follow Me:

[Literatura] Amante Sombrio — J.R. Ward

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014
Série: Irmandade da Adaga Negra #1

Título original: Dark Lover
Autor: J.R. Ward
Editora: Universo dos Livros
Gênero: Romance/Hot/Sobrenatural
Ano: 2009
Páginas: 448
ISBN: 9788579300820
Lido em: Janeiro de 2014
Nota:
Sinopse: Nas sombras da noite, em Caldwell, Nova York, desenrola-se uma sórdida e cruel guerra, entre vampiros e seus carrascos. Há uma irmandade secreta, sem igual, formada por seis vampiros defensores de sua raça. Ainda assim, nenhum deles deseja a aniquilação de seus inimigos mais que Wrath, o líder da Irmandade da Adaga Negra. Wrath é o vampiro de raça mais pura dentre os que povoam a terra e possui uma dívida pendente com os assassinos de seus pais. Ao perder um de seus mais fiéis guerreiros, que deixou orfã uma jovem mestiça, ignorante de sua herança e destino, não lhe resta outra saída senão levar a bela garota para o mundo dos não mortos. Traída pela debilidade de seu corpo, Beth Randall se vê impotente em tentar resistir aos avanços desse desconhecido, incrivelmente atraente, que a visita todas as noites envolto em sombras. As histórias dele sobre a Irmandade a aterrorizam e fascinam. Seu simples toque faísca, um fogo que pode acabar consumindo a ambos.

Nesse primeiro livro da série, Amante Sombrio, somos introduzidos aos sete guerreiros vampiros que fazem parte da Irmandade da Adaga Negra e tem como missão protegerem a própria raça de vampiros que está caminhando para a extinção graças à sociedade de assassinos e caçadores de vampiros, os Redutores, que são humanos que venderam a alma em troca de exterminar os vampiros e viverem para sempre. Estão a serviço do Ômega, uma figura mítica que rivaliza contra a Virgem Escriba, outra figura mítica que rege os vampiros.

Os vampiros da irmandade são formados por Warth (é cego, o líder da irmandade e rei dos vampiros de nascença), Rhage (o mais atraente, mas tem um lado escuro e violento), Zsadist (foi torturado e escravizado, por isso é o menos simpático de todos e a irmandade teme que ele esteja próximo de perder a sua alma), Phury (gêmeo de Zsadist, tem uma prótese no lugar da perna e se mantém celibatário), Vishous (especialista em tecnologia e é fã dos Red Sox), Tohrment (o único da irmandade que tem companheira, Wellsie) e Darius (tem uma filha e é dono da mansão que mais tarde se torna sede da irmandade).

Toda a história se passa em Caldwell, Nova York.
Esse primeiro livro da série vai contar a história de Warth e Beth Randall (filha de Darius).

Darius sabe que sua filha humana está prestes a passar pela transição com a idade de 25 anos e transformar-se numa vampira. Para isso ela precisará beber o sangue de algum vampiro macho, e por isso ele pede a ajuda de Warth.
Warth se recusa, e mais tarde vem uma catástrofe que termina com uma bomba no carro de Darius e ele morto, com o pesar de que sua filha jamais vai conhecê-lo.

Sabendo que Beth vai precisar de ajuda e que não tem mais ninguém a quem recorrer, já que seu pai, o ultimo familiar, morreu, Warth resolve enfim ajudar a moça a passar pela transição e depois cada um seguir seu caminho.
O que ele não esperava é que ela fosse ser tão encantadora a ponto de arder de desejo por ela e não querer mais larga-la.

Beth levava sua vida normal como jornalista até o dia que foi atacada num beco quando voltava pra casa por um sujeito chamado Billy Riddle, mas por sorte conseguiu se livrar dele.
Mais tarde surge a notícia de que um carro explodiu, e ela como jornalista vai investigar para uma matéria no jornal, sem saber que o cara que morreu dentro do carro foi seu pai.
E para completar, um homem viril chamado Warth aparece no seu apartamento no meio da noite dizendo que iria protegê-la. O desejo entre ambos é tão intenso que eles não resistem e passam uma maravilhosa noite juntos.

A partir daí começa o desenrolar de um romance que nenhum dos dois estava esperando, sempre desejosos um pelo outro e mal aguentando esperar pelo momento em que se veriam de novo.
Quando finalmente começa a transição de Beth, ela é levada para a mansão que pertenceu ao seu pai, e Warth em momento algum sai de seu lado, sempre a apoiando e incentivando-a a beber de seu sangue.

Outros personagens também tem papel fundamental no enredo.
Além de conhecermos basicamente os outros vampiros da irmandade, temos também Marissa, a fêmea de quem Warth sempre se alimentou, mas que nunca foi apegado, para tristeza dela, até o momento em que ele conhece Beth e a descarta completamente, para a completa raiva de seu irmão, Havers, que é cientista e médico, é muito protetor, não gostando nem um pouco da irmã ter sido desonrada e trocada daquela maneira, e acaba jurando vingança contra o rei dos vampiros.

Mas Marissa não fica triste por muito tempo, pois logo ela conhece Butch O'Neal, um humano, detetive, que sempre esteve interessado em Beth, para grande raiva de Warth, mas isso até conhecer Marissa e se encantar completamente por ela.
Butch fica tão encantado com Marissa e com a camaradagem dos vampiros da irmandade que acaba se sentindo finalmente em casa, pertencente ao seu lugar, coisa que nunca sentiu antes na sua antiga vida simplória. Ele se apega principalmente ao Vishous por ambos serem fã dos Red Sox.

E por fim somos também apresentados ao Senhor X, o Redutor Principal que treina jovens aprendizes para servirem ao Ômega e acabar de vez com a raça dos vampiros. Um dos jovens que ele treina e demonstra um talento e vontade anormal de ser violento é ninguém menos que Billy Riddle, o jovem que tentou violentar Beth no beco escuro.


J.R. Ward é uma escritora de romances sobrenaturais e hot.

Essa série Irmandade da Adaga Negra é bem famosa e claro que eu já tinha ouvido falar dela há muito tempo, mas não tinha me animado muito a ler porque os livros e a série em si são muito grandes e eu já estava um pouco cansada de histórias de vampiros e seres sobrenaturais.
Mesmo assim resolvi ler, arriscar, apesar de estar passando por uma chata ressaca literária, e para meu alívio, gostei da leitura.
Não fluiu como deveria, mas talvez não seja culpa da história, talvez seja culpa dessa minha ressaca mesmo. O importante é que eu terminei o livro satisfeita e com vontade de ler os próximos.

Apesar de ter cenas de sexo, esse não é o foco principal do livro. Ele dá prioridade ao romance entre Warth e Beth, a transição dela, e a apresentação dos personagens como um todo.

Mesmo que vocês estejam cansados de histórias de vampiros e hot como eu, recomendo que leiam mesmo assim.
As cenas de sexo acontecem de modo equilibrado, mesmo que sejam intensas, sem que seja esse o fator que move o livro, e os vampiros aqui descritos são realmente letais e dignos da imaginação feminina.
Eles se queimam quando expostos ao sol, e para sobreviver precisam beber o sangue do vampiro do sexo oposto, e não de humanos.


A Série:

Black Dagger Brotherhood
1. Dark Lover (2005) – Amante Sombrio
2. Lover Eternal (2006) – Amante Eterno
3. Lover Awakened (2006) – Amante Desperto
4. Lover Revealed (2007) – Amante Revelado
5. Lover Unbound (2007) – Amante Liberto
6. Lover Enshrined (2008) – Amante Consagrado
7. Lover Avenged (2009) – Amante Vingado
8. Lover Mine (2010) – Amante Meu
9. Lover Unleashed (2011) – Amante Libertada
10. Lover Reborn (2012) – Amante Renascido
11. Lover At Last (2013) – Amante Finalmente
12. The King (2014)
Bônus: The Black Dagger Brotherhood: An Insider's Guide (2008) – Irmandade da Adaga Negra: Guia Oficial da Série


Follow Me:

Balada das Três Mulheres do Sabonete Araxá — Manuel Bandeira

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014


As três mulheres do sabonete Araxá me invocam, me bouleversam, me hipnotizam.
Oh, as três mulheres do sabonete Araxá às 4 horas da tarde!
O meu reino pelas três mulheres do sabonete Araxá!
Que outros, não eu, a pedra cortem
Para brutais vos adorarem,
Ó brancaranas azedas,
Mulatas cor da lua vêm saindo cor de prata
Ou celestes africanas:
Que eu vivo, padeço e morro só pelas três mulheres do sabonete Araxá!
São amigas, são irmãs, são amantes as três mulheres do sabonete Araxá?
São prostitutas, são declamadoras, são acrobatas?
São as três Marias?
Meu Deus, serão as três Marias?
A mais nua é doirada borboleta.
Se a segunda casasse, eu ficava safado da vida, dava pra beber e nunca mais telefonava.
Mas se a terceira morresse... Oh, então, nunca mais a minha vida outrora teria sido um festim!
Se me perguntasse: Queres ser estrela? queres ser rei? queres uma ilha no Pacífico? um bangalô em Copacabana?
Eu responderia: Não quero nada disso, tetrarca. Eu só quero as três mulheres do sabonete Araxá:
O meu reino pelas três mulheres do sabonete Araxá!


Mais uma nova coluna aqui no blog, de textos, sejam eles poemas, crônicas, versos, estrofes. Ou seja, leituras obrigatórias.
Não costumo ler muitos poemas, mas eu tenho alguns guardados que eu gosto muito e começarei a postar aqui, assim como também irei começar a ler vários poemas por aí, e quando me interessar por algum, ele aparecerá aqui no blog.

Esse poema em especial foi um amigo muito querido dos tempos da escola e até hoje, o Guilherme, que leu em dezembro de 2013 e lembrou-se de mim e de outras duas amigas nossas, Jessyka e Mariza, e dedicou a nós três.
Fiquei muito feliz, ainda mais porque o poema é lindo! *-*
Todos nós somos amigos há muito tempo, desde a época da escola, alguns eu conheço há oito anos, já outros há doze anos.
Me sinto muito privilegiada em ter esses amigos.


Follow Me:

[Música #1] ...Baby One More Time — Britney Spears

terça-feira, 21 de janeiro de 2014


Primeiríssimo post da coluna que trará as minhas músicas favoritas de cantores e bandas que eu adoro.
Vocês logo notarão que eu gosto muito de rock, mas amo principalmente música pop.


Logicamente não poderia deixar de começar com a minha maior diva do mundo pop: miss Spears. Sou fã dela desde 2002, quando eu tinha 11 anos.

...Baby One More Time foi o primeiro sucesso de Britney Spears, lançado no dia 30 de setembro de 1998 (no dia do meu aniversário de 8 anos *-*) nos Estados Unidos através da editora discográfica Jive Records. Tem duração de 3:32 minutos.
A faixa se tornou um estrondoso e instantâneo sucesso mundial, alcançado o número um em várias paradas musicais, incluindo a Billboard Hot 100.

O videoclipe, dirigido por Nigel Dick, retrata Spears como uma estudante de um colégio católico, que começa a sonhar que está cantando e dançando ao redor da escola, enquanto assistia seu interesse amoroso de longe.
Foi lançado em novembro de 1998 e tem duração de 3:57 minutos.
Uma curiosidade é que o vídeo foi filmado na Venice High School, em Los Angeles, a mesma escola que foi usada para gravar o filme Grease.
O interesse amoroso de Britney no clipe é ninguém menos que seu primo na vida real, Chad Cole.

My loneliness is killing me (and I)
(Minha solidão está me matando [E eu])
I must confess I still believe (still believe)
(Eu tenho que confessar que ainda acredito [ainda acredito])
When I’m not with you I lose my mind
(Quando não estou com você eu perco a cabeça)
Give me a sign
(Dê-me um sinal)
Hit me baby one more time
(Fique comigo mais uma vez)




Follow Me:

[Lançamentos] Janeiro de 2014

domingo, 19 de janeiro de 2014

Arqueiro

Casa da Palavra
(LeYa, LeYtoras, Lua de Papel, Quinta Essência, Fantasy)


Companhia das Letras
(Seguinte, Paralela)

Fundamento

Geração Editorial
(Jardim dos Livros)

Gutenberg

Intrínseca

Novo Conceito

Porto
(Sextante)

Rocco

Saída de Emergência

Valentina


Follow Me:


Theme Base por Erica Pires © 2013 | Livro de Memórias, por Renata Carvalho | Blog no ar desde 03.05.2013 | Versão 2.2 no ar desde 01.01.2014 | Topo