A Culpa é das Estrelas — John Green

sexta-feira, 3 de maio de 2013
Título original: The Fault in Our Stars
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Gênero: Drama/Romance/Young Adult
Ano: 2012
Páginas: 288
ISBN: 9788580572261
Lido em: Janeiro de 2013
Nota:
Sinopse: Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante – o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos –, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

Resenha: Nada como começar a primeiríssima resenha do blog com o melhor livro que eu li esse ano até agora: A Culpa é das Estrelas, do John Green.
Eu não fazia ideia do que esse livro tratava, mas o que quer que eu especulasse, certamente não era sobre câncer. O título não passava muitas dicas.
O fato é que todo mundo estava comentando sobre ele, dizendo que era muito bom. Estava também na prateleira dos livros do momento na Livraria Cultura e eu sempre passava por ele e me perguntava do que ele falava exatamente.
Até que um dia eu não aguentei mais e baixei o livro.
Sempre acontece de eu devorar o livro quando ele é muito legal na minha opinião, mas este eu li em apenas 8 horas. Foi um dos meus recordes de leitura.
E confesso que eu NUNCA tinha chorado lendo um livro antes, por mais triste que fosse, mas esse realmente me pôs à prova e eu não consegui resistir.

O livro é perfeito demais, muito lindo, é sim tudo isso que as pessoas estão comentando.
São realmente raros os livros que conseguem me chocar profundamente, e esse foi um deles. Mas acho que esse livro conseguiu isso com maestria porque eu sou uma grande adepta de finais felizes, o que não ocorre.

O livro é cheio de partes muito, mas muito bonitinhas mesmo. Falando do amor que a Hazel e o Augustus sentiam um pelo outro, do quanto se compreendiam e tinham os mesmos gostos, do quanto fariam tudo um pelo outro e estavam sempre lá para quando o outro precisasse.
(Como se só o fato deles estarem doentes não fosse o suficiente para me deixar triste).

Gostei bastante de umas partes bem simbólicas que me fizeram realmente chorar, juro.
  • Seriam elas quando o Isaac descobriu que ficaria definitivamente cego, e daí a namorada dele terminou com ele. Gostei quando o Augustus cedeu os próprios troféus de basquete para o amigo quebrar e extravasar a raiva. Certamente o Gus não iria mais precisar daqueles troféus, e seu amigo estava precisando deles mais do que ele. Gostei muito.
  • Outra parte é de quando o Augustus e a Hazel sentaram-se para tomar champanhe em copos do Ursinho Pooh enquanto observavam as crianças brincar no parque. É muito triste que vítimas de câncer como eles fizessem isso, observar as crianças brincarem felizes sendo que eles dois nunca mais poderiam fazer isso igual àquelas crianças.
  • Gostei também de quando o Augustus levou o Isaac para jogar ovos no carro da Mônica (ex-namorada). Nem preciso falar mais nada quanto a isso.
  • Os esforços do Augustus e da Hazel em visitarem a casa da Anne Frank sem elevador, tendo que subir várias escadas estreitas. Vemos que esses lugares não se preocupam com pessoas nas condições deles, e mesmo assim eles se esforçaram porque queriam muito aquilo. E quando se beijaram eu gostei que as outras pessoas também visitando a casa não ficassem com raiva deles por bloquearem a escada e etc. (coisa rara de se ver hoje em dia), mas sim reconhecessem todo o esforço deles e aplaudissem.
Enfim, o livro é fictício, mas as condições de um modo geral que os personagens viveram não é, o que é realmente triste por pensar que realmente existem pessoas de verdade passando por esse tipo de coisa.

Eu já vi várias resenhas de pessoas dizendo que adoraram ou não gostaram tanto assim do livro. Claro que eu entendo e respeito o gosto das pessoas de não terem gostado tanto, mas fico aqui me perguntando COMO pode alguém não gostar desse livro? Simples assim.
Pretendo esperar passar um tempo e ler de novo quando eu me sentir pronta (porque eu fiquei em choque quando terminei de ler), e dessa vez minha leitura será pelo livro real que eu terei comprado, e não baixado da internet.

Fica aqui uma das frases desse livro que eu amei:

- Meus pensamentos são como estrelas que não consigo arrumar em constelações.
P.S.: Eu não pretendia deixar a resenha tão grande, ela não será sempre assim, é que nesse livro eu me empolguei. =)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita!
Se deixar seu blog/site junto com seu comentário, terei o maior prazer em retribuir a visita. ^^

Theme Base por Erica Pires © 2013 | Livro de Memórias, por Renata Carvalho | Blog no ar desde 03.05.2013 | Versão 2.2 no ar desde 01.01.2014 | Topo